A importância da qualidade do ar que respiramos para a saúde

Partilhe

Autora – Claúdia Correia 

Sou uma Engenheira que se preocupa com o estado do ambiente, quer na profissão quer nas ações quotidianas, onde sempre que possível tenho a preocupação de evitar/minimizar a poluição ambiental e assim contribuir para a manutenção de um ambiente limpo e saudável para as gerações futuras.

Para os que procuram um lugar para viver na perspetiva da qualidade de vida

Quando procuramos um local para viver existem diversos fatores com que nos devemos preocupar, no entanto existe um que muitas vezes é descurado e que é fundamental para uma boa qualidade de vida: se existem fontes de poluição nas proximidades nomeadamente ao nível da poluição atmosférica.

O Ar que respiramos

O Ar que respiramos é essencial para a vida do Homem e dos outros seres vivos que habitam no nosso Planeta. A qualidade do ar é o termo que se usa, normalmente, para traduzir o grau de poluição no ar que respiramos. A má qualidade do ar leva a efeitos nocivos sobre o ambiente e a saúde.

A poluição do ar

A poluição do ar resulta da emissão de gases tóxicos ou de partículas líquidas/sólidas na atmosfera. Nos grandes centros urbanos e industriais tornam-se frequentes os dias em que a poluição atinge níveis críticos. As fontes móveis, principalmente os transportes rodoviários, são uma fonte importante de poluentes, essencialmente devido às emissões dos gases de escape.

qualidade_ar_ambientes_internos

Efeitos na saúde

A Poluição Atmosférica é responsável anualmente pela morte prematura de 6.190 portugueses. As doenças cardíacas e os Acidentes Vasculares Cerebrais são as causas mais frequentes de mortes prematuras relacionáveis com a poluição atmosférica, logo seguidas pelas doenças respiratórias.

Além de causar morte prematura a poluição atmosférica é responsável pelo aumento da incidência de muitas doenças, nomeadamente as respiratórias, as cardíacas e os cancros, principalmente nos grupos mais vulneráveis (crianças, pessoas idosas ou com doença crónica).

Os odores são responsáveis por efeitos psicológicos importantes estando associados, sobretudo, aos locais de deposição e tratamento de resíduos sólidos e a algumas indústrias de que são exemplo as fábricas de pasta de papel e químicas.

Importância do local onde vivemos

Em Portugal, os problemas da qualidade do Ar não afetam o território de uma forma sistemática, encontrando-se localizados em algumas áreas onde é maior a concentração urbana e a presença de grandes unidades industriais.

Apesar de as unidades industriais ou de tratamento de resíduos sólidos se localizarem normalmente em zonas industriais ou em locais fora de povoações, em determinadas condições a poluição atmosférica poderá propagar-se a outros locais.

Mesmo que o local não se inclua nos acima indicados, antes de comprarmos ou arrendarmos uma casa devemos fazer uma pesquisa de possíveis fontes de poluição nas imediações ou até mesmo algumas visitas de reconhecimento às proximidades, nomeadamente quanto a possíveis odores incomodativos pois a poluição atmosférica pode não se ver mas geralmente sente-se. Deverá, igualmente, ser verificado se existem nas proximidades vias de grande tráfego.

Existem sites onde poderemos obter dados sobre a qualidade do ar das cidades em:

http://apambiente.pt/ e mais especificamente em http://previsao-qar.web.ua.pt/, no entanto aconselho sempre visitas de reconhecimento.

Claro que se os sistemas de tratamento funcionassem sempre e existisse uma fiscalização apertada não teríamos de nos preocupar com esta questão, mas sabemos que não existem sistemas perfeitos e, especialmente em ”alturas de crise”, não se fazem a s manutenções necessárias para que tudo funcione bem, assim mais vale prevenir do que remediar.

É importante também tentar obter informação sobre eventuais projetos de construção de novas fontes de poluição, por exemplo, em http://siaia.apambiente.pt/.

O livro “Onde viver em Portugal” escrito por um investigador da Universidade do Minho, José Mendes, é um estudo de avaliação da qualidade de vida que se baseia em nove indicadores – clima, comércio e serviços, criminalidade, desemprego, habitação, mobilidade, património, poder de compra e poluição.

Este último, a poluição, foi analisado com base nos dados do Ministério do Ambiente no que respeita à qualidade do ar, à qualidade da água; do parque automóvel, consumo de gasolina e rede viária; e em medições feitas para comparar níveis de ruído entre as capitais de distrito. Este livro poderá ser uma ajuda na procura do melhor local para viver na perspectiva da qualidade de vida.

A cidade ideal não existe, mas devemos-nos informar o mais possível sobre o local onde pretendemos viver de forma a não termos surpresas!

Fontes:

https://www.publico.pt/local-lisboa/jornal/onde-viver-em-portugal-129018 Qualidade do Ar. Divisão Municipal de Ambiente e Conservação da Natureza. Câmara de Oliveira de Azeméis. http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/01/140113_espaco_verde_bem_estar_fn http://www.fundacaoportuguesadopulmao.org/POLUICAO_ATMOSFERICA_E_MORTE_PERMATURA.html www.dgs.pt/a…/saude-sazonal-ocorrencia-de-situacao-de-poluicao-do-ar1.aspx 

 

Autora: Cláudia Correia

 

Deixar uma resposta

Newsletter