Cientistas descobrem proteína que combate o cancro

Partilhe

Uma boa notícia! Cientistas descobrem nova proteína que pode combater o cancro ou vírus!

Cientistas britânicos descobriram uma proteína capaz de combater todo o tipo de cancros ou vírus através do fortalecimento do sistema imunitário. A equipa está agora a desenvolver uma terapia genética em laboratório, com o intuito de avançar para ensaios em humanos em 2018.

As experiências feitas pelos investigadores do Imperial College London, no Reino Unido, com células humanas e de ratinhos demonstraram que a proteína “LEM”, sigla em inglês para “Lymphocyte Expansion Molecule”, consegue promover a proliferação de células T citotóxicas, que matam células cancerígenas e células infetadas com vírus.

Contudo, estas células não são capazes de se multiplicar em quantidade suficiente para combater a doença, uma realidade que no entanto pode mudar com a proteína LEM.

O estudo publicado na revista Science.

Nas experiências com ratinhos, a equipa identificou um conjunto de modelos animais capazes de produzir dez vezes mais células T citotóxicas na presença de uma infeção causada por um vírus do que os normais, conseguindo suprimi-la com maior eficácia.

De acordo com o comunicado do Imperial College London, o organismo destes animais produzia, também, uma maior quantidade de um segundo tipo de células T, as chamadas células de memória, que facilitam o reconhecimento de futuras infeções, acelerando assim a resposta do sistema imune.

Com base nesta descoberta, os cientistas estão, neste momento, a trabalhar em uma nova terapia genética para fortalecer o sistema imunitário através do aumento da produção daquela proteína, que será testada em ratinhos e que poderá ser alvo de ensaios em humanos em 2018.

“As células cancerígenas conseguem anular a atividade das células T, o que lhes permite escapar ao sistema imunitário. Ao introduzir uma versão ativa do gene LEM nas células T dos pacientes com cancro, esperamos conseguir proporcionar aos pacientes um tratamento robusto”, explica Philip Ashton-Rickardt, principal autor do estudo e investigador do departamento de imunobiologia e medicina daquela universidade britânica.

Autor: Viva Saúde

 

Deixar uma resposta

Newsletter