Lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho – sintomas e como prevenir

Partilhe

foto-perfil-joana-eira

 

Autora – Joana Eira

Fisioterapeuta na HandCare Clínica – Vila Real

Ver perfil completo da Joana

 


Lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho (LMERT)

 O que são as LMERT

A abreviatura LMERT refere-se extensivamente às lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho (LMERT).

São lesões que têm na sua origem as más posturas que são adotadas em contexto laboral, resultando do exercício de uma dada atividade profissional.

Podem afetar diferentes partes do corpo, como por exemplo, o ombro, pescoço, cotovelo, mãos, punhos, joelhos, tornozelos e a coluna. Incluem igualmente o conjunto de doenças inflamatórias e degenerativas do sistema locomotor.

Genericamente, são consideradas previsíveis, devido à exposição aos fatores de risco que se adotam em contexto de trabalho, sendo no limite da sua evolução assumidas como crónicas.

Como referido anteriormente quanto a sua previsão a não exposição a fatores de risco poderá significar a prevenção do surgimento deste tipo de lesões.

Na realidade, o ser humano, por natureza, tende a procurar posições de maior conforto, por vezes esquecendo-se de outros aspetos relacionados com a própria saúde.

A adoção de más posturas quotidianas, são acumuladas até ao momento em que surgem lesões seguidas de dores incomodativas que, por vezes terminam com a necessidade de recurso a profissionais de saúde especializados, no limite levando a interrupções involuntárias de trabalho.

Verifica-se, portanto, a importância de prevenir as LMERT o quanto antes.

A mecanização de tarefas associadas à industrialização e ao aumento de volumes de trabalho, impõem ritmos de trabalho gradualmente superiores e exigentes. Contudo existem pequenos gestos que poderão contribuir para o seu bem-estar e aumento da qualidade de vida.

Com este artigo pretende-se divulgar as problemáticas das LMERT, bem como os seus fatores de risco, sintomas e formas concretas de prevenir os principais focos de surgimento destas lesões.

Evidências estatísticas

Na União Europeia (UE), e de acordo com dados da Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e de Trabalho verifica-se que:

  • Cerca de 25% dos trabalhadores queixam-se de lombalgias e cerca de 23% de dores musculares;
  • As perturbações músculo-esqueléticas são o problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na UE: 25% dos trabalhadores europeus queixam-se de dores nas costas e 23% queixam-se de dores nos músculos;
  • 62% dos trabalhadores da UE estão expostos, durante mais de um quarto de hora, a movimentos repetitivos das mãos e dos braços, 46% a posições dolorosas ou cansativas e 35% ao transporte ou à movimentação de cargas pesadas;
  • A agricultura e a construção civil são os setores em que existe maior exposição a riscos físicos e mais queixas de perturbações músculo-esqueléti Não obstante, os demais sectores industriais apresentam exposição a este tipo de riscos.

Torna-se por isso iminente a atuação de forma organizada e planeada na prevenção das LMERT. Na maioria das observações, as organizações tendem ainda a ignorar a verdadeira dimensão do problema e, consequentemente não valorizam as ações que possibilitam a identificação das atividades de risco. O investimento na disseminação deste tipo de lesões é por isso baixo.

Sintomas
  • Desconforto;
  • Dor (por vezes localizada, podendo irradiar para outras áreas corporais);
  • Sensação de dormência ou formigueiro;
  • Sensação de peso;
  • Fadiga;
  • Edema;
  • Sensação de perda de força.

Na grande maioria dos casos, os sintomas surgem gradualmente, agravando-se no final do dia de trabalho ou durante os picos de produção e aliviam-se com as pausas ou repouso prolongado, como por exemplo durante o período de férias.

LMERT mais comuns
  • Lombalgia;
  • Lesões musculares;
  • Tendinites;
  • Cervicalgias;
  • Epicondilites;
  • Síndrome do Túnel Cárpico (STC).
Fatores de risco

As LMERT surgem por devido à exposição dos indivíduos aos diferentes fatores de riscos, em contexto laboral. Genericamente podem ser agrupados em três categorias, sendo, fatores inerentes ao trabalhador (individuais), à especificidade das funções desempenhadas (ergonómicos) ou por fim, devendo-se à estruturação da empresa (organizacionais). Seguidamente serão listados os três grupos atrás mencionados e as principais causas que estes sinalizam.

Fatores ergonómicos
  • Alta repetibilidade e invariabilidade;
  • Padrão de movimentos e frequência similares;
  • Má adaptação/conservação de material de trabalho;
  • Postura incorreta e negligencia da atitude corporal;
  • Condições ambientais (ruído, temperatura e qualidade do ar);
  • Vibração;
  • Alinhamento biomecânico.
Fatores organizacionais
  • Ritmos intensos de trabalho;
  • Monotonia;
  • Modelo organizacional de produção;
  • Ausência/insuficiência de pausas;
  • Compensações pecuniárias por produtividade;
  • Turnos/horas extra.
Fatores individuais
  • Idade e género;
  • Receio de desemprego, por motivos de baixa médica;
  • Falta de reconhecimento por parte da chefia;
  • Baixa remuneração;
  • Ambiente hostil;
  • Más condições de vida.

Importa ainda referir que a influência de cada um destes fatores atrás mencionados vai depender da duração, intensidade e frequência de exposição aos mesmos.

No momento em que se manifesta a lesão, é habitual a existência de um desequilíbrio entre as solicitações do trabalho e as capacidades do indivíduo, quando não se respeitam os intervalos de recuperação que o organismo exige.

Prevenção e posturas a adotar

No que respeita às formas de prevenção, estas variam em função das formas de abordagem e da vontade de cada organização e de cada individuo que nela se insere. Verifica-se que a participação de todos os colaboradores da organização neste tipo de ações é vantajosa no que respeita aos efeitos provocados após a adoção de forma de combate às LMERT.

Por vezes, verifica-se uma fraca observação por parte de superiores hierárquicos das condições de trabalho dos funcionários, como é o caso das cadeiras em que estes se sentam e dos equipamentos com os quais lidam.

Serão agora listadas algumas medidas preventivas que poderão atenuar o surgimento das LMERT:

  • Alternâncias entre períodos de esforço muscular e entre tarefas que exijam maior e menor esforço;
  • Evitar movimentos repetitivos, alternar com outras atividades;
  • Evitar ficar em posição estática por um período de tempo prolongado;
  • Adoção de medidas ergonómicas corretas:
    • As articulações devem estar em posição neutra durante as atividades laborais e os membros próximos ao corpo;
    • Evitar flexão da coluna vertebral;
    • Reduzir a velocidade e a força compressiva dos instrumentos manuais;
  • Escolha de aparelhos ergonómicos adequados;
  • Evitar o uso de luvas que apertem o punho;
  • Realização de ginástica laboral ou exercícios preparatórios, compensatórios e de relaxamento, com vista ao aumento da flexibilidade, força, coordenação, ritmo, resistência muscular e equilíbrio.
Esquematicamente, tem-se:

doencas-trabalho1-viva-saude

Costas
  • Devem estar bem alinhadas com o encosto;
  • Posicionamento entre 45 a 70cm do monitor;
  • Ângulos entre os antebraços, braços, pernas e entre o tronco devem ser 90º.
Ombros e cotovelos
  • Ombros descontraídos, não elevados, nem descaídos;
  • Cotovelos devem estar confortavelmente posicionados relativamente à altura do teclado.
Antebraços, pulsos e mãos
  • Zona confortável;
  • Evitar curvatura excessiva dos pulsos, para cima, para baixo para dentro ou para fora;
  • Usar uma proteção de rato com almofada nos pulsos.
Olhos
  • Descansar frequentemente, desviando o olhar do monitor periodicamente e focando-se num ponto distante.
Pés, joelhos e pernas
  • Pés assentes com firmeza e com conforto no chão.
Relativamente aos equipamentos que são usados durante o exercício laboral:
Cadeira

doencas-trabalho2-viva-saude

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Deve-se evitar senta-se na mesma posição todo o dia;
  • Variar a tarefa;
  • Ao fim de 2horas, deve-se levantar e realizar uma pausa entre 10 a 15 minutos.
Monitor e mesa de trabalho

 

doencas-trabalho3-viva-saude

  • Não se deve trabalhar nem de costas nem de frente para uma janela, preferencialmente lateralmente;
  • Bordo superior do visor ao nível dos olhos;
  • Regulação do brilho, contraste consoante a iluminação da sala;
  • Relativamente à mesa de trabalho, esta deve ser de dimensões adequadas ao volume de trabalho
  • Permitir uma disposição flexível de elementos como o visor, teclado, documentos e material acessório;
  • Todos os materiais, ferramentas e equipamentos de trabalho devem estar situados na superfície de trabalho consoante a sua utilização.
Métodos de elevação

metodos-prevencao-trabalho-viva-saude

  • Tronco direito;
  • Braços estendidos;
  • Carga o mais próximo possível do corpo;
  • Costas direitas;
  • Fazer flexão do joelho;
  • Pedir ajuda a um colega para levantar e transportar uma carga mais pesada;
  • Aproveitar o peso do corpo para empurrar ou deslocar objetos.

prevencao-doencas-trabalho-viva-saude

Posição de pé

 

elevacao-trabalho1-viva-saude

  • O espaço mínimo para os pés deve ser de 15cm em profundidade e em altura.
Posição de observação

 

prevencao-doencas-trabalho2-viva-saude

  • A distância visual que deve ser mantida, depende da tarefa a realizar e da precisão da mesma.
Exercícios a realizar no posto de trabalho

exercicios-prevencao-doencas-trabalho-viva-saude

 

Autora: Fisioterapeuta Joana Eira

 

Deixar uma resposta

Newsletter