Sabia que o Stress provoca envelhecimento precoce?

Partilhe

Dr. Lair Ribeiro, Médico Cardiologista dá-nos uma explicação da estreita relação entre o stress e o envelhecimento precoce. Neste artigo fala-nos também de dicas para aumentarmos a saúde e a qualidade de vida.

Ao contrário do que muita gente pensa, não são apenas as pessoas jovens, no auge da sua vida profissional, que podem sofrer de stress. Muitos idosos sofrem de stress e nem têm consciência disso.

Vários caminhos podem levar ao stress na terceira idade, e um deles é o estilo de vida. Na vida, colhemos o que plantamos. Somos os únicos responsáveis pela vida que temos e, se a quisermos saudável, longa e plena de energia, temos de agir desde já!

Vícios, como tabagismo e alcoolismo; hábitos alimentares inadequados, como alimentação rica em gorduras saturadas e açúcares; e até problemas cotidianos, como questões familiares, pressão no trabalho e crise conjugal, são apenas alguns dos inúmeros fatores relacionados ao stress. Submetendo o seu organismo a esses agentes por um longo período, você estará contribuindo para deteriorá-lo cada vez mais.

Não são os anos de vida que envelhecem um indivíduo, mas sim a carga de stress a que ele foi ou é submetido, que age implacavelmente, “gastando” o seu “capital” de energia.

Muita gente pensa que se pode repor energia, mas quem passa por um stress prejudicial, mesmo que seja submetido a tratamentos e se recupere, nunca voltará a ser como antes.

Enquanto se é jovem, um pequeno déficit de energia parece não fazer diferença. Então, a pessoa não percebe, começa a reincidir em situações de stress e a perda de energia começa a aumentar progressivamente. Isso provoca doenças e envelhecimento precoce.

Quando se fala em envelhecimento, precoce ou não, tem se de falar também em depressão. Envelhecimento, em geral, representa queda na capacidade produtiva do indivíduo, e quando isso acontece, caem também os estímulos e as perspectivas de vida desse indivíduo, que começa a manifestar sintomas, como falta de concentração e de atenção, perda de memória, dificuldade com raciocínio lógico, dificuldade em assimilar novas informações, problemas em simpatizar com novas pessoas, dificuldade de organização, entre outros. Nesse quadro, típico de depressão, a pessoa sofre pela ausência de stress.

O stress negativo ou distress pode deixar o indivíduo menos inteligente, pois as reações químicas provocadas pelo organismo em resposta aos agentes stressores destroem lentamente sua estrutura cerebral, em especial o hipocampo, responsável pela memória (não por acaso, um dos sintomas de stress é a perda de memória!). Dessa forma, o stress também pode ser associado à doença de Alzheimer.

Para resgatar a funcionalidade do corpo fragilizado pelo stress, tudo tem de ser cuidadosamente planejado e aplicado. Alguns caminhos para isso são os alimentos funcionais, a homeopatia e a medicina oriental, que buscam promover a qualidade de vida e realçar o sentido da vida (espiritualidade) nos indivíduos, minimizando, por exemplo, a procura pelo uso de medicamentos convencionais.

Seguem-se algumas dicas capazes para a sua saúde e qualidade de vida:

  • Manter-se fisicamente ativo, praticando exercícios de acordo com as suas condições físicas e sob orientação especializada.
  • Manter-se intelectualmente ativo, cultivando o hábito da leitura e da escrita.
  • Adotar uma alimentação saudável e de acordo com as suas necessidades.
  • Investir em novas amizades e cultivar as antigas.
  • Manter uma ocupação.

Hoje, quantidade e qualidade de vida caminham lado a lado. Para viver mais é preciso viver com qualidade, daí a necessidade de rever conceitos, de avaliar a visão acerca da realidade que nos cerca e de buscar uma reintegração com essa realidade, como meio de alcançar um resultado duradouro e eficiente.

Dr. Lair Ribeiro — Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa. Médico cardiologista, viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, Baylor College of Medicine e Thomas Jefferson University.

Autor: Viva Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *