Saiba o que acontece com seu corpo no verão

Partilhe

O que acontece ao seu corpo no verão?

No verão, nosso organismo se comporta de forma muito diferente. Descubra os efeitos do verão no cérebro e, consequentemente, no resto do corpo. Prepare-se!

O Verão chegou! Época de apanhar Sol, nadar no mar ou na piscina, beber as mais diversas bebidas, descansar na sombra de uma árvore. Mas, além desses momentos deliciosos, tem início o cuidado redobrado com a pele, cabelos e saúde, afinal, nosso corpo durante o verão, comporta-se de forma muito diferente.

Mas antes devemos relembrar o que acontece no organismo em cada extremo de temperatura corporal:

A temperatura corporal humana média fica entre 36ºC e 37,5ºC, adaptando-se com facilidade ao meio ambiente externo desde que não haja condições extremas.

  • 42°C – A ausência de suor indica desidratação grave e estado de coma. Nesta situação, dificilmente consegue-se salvar a vida do individuo.
  • 41°C – O metabolismo fica seriamente comprometido, a ponto de alterar as proteínas celulares.
  • 40°C – Início de hipertermia. Nessa fase aparecem sintomas como náusea, falta de coordenação e vômitos. Início de forte desidratação.
  • 38°C a 39,5°C – Estado de febre. Sintomas como a queda dos batimentos cardíacos e até desmaios podem ser detectados.
  • 36°C – 37,5°C – Faixa de temperatura normal do corpo.
  • 35°C – Início de hipotermia. Os sintomas nessa fase são calafrios e forte apatia.
  • 30°C – O coração quase para e os batimentos caem para 1 ou 2 por minuto. A pessoa perde totalmente o raciocínio por falta de oxigenação no cérebro.
  • 20°C – O corpo interrompe todas as suas funções devido a diminuição do metabolismo até cessar as atividades do coração e do cérebro.

O Cerebro – “O Comandante”
cérebro precisa, a qualquer custo, manter a temperatura do corpo em aproximadamente 36º C, mesmo com o Sol forte a queimar a nossa pele. Para isso, ele envia ordens para todos os órgãos, preparando-os para a chegada do calor. Uma das técnicas utilizadas pelo sistema é o suor, que elimina o aquecimento excessivo, mantendo a ordem natural do organismo. 

 
O Coração – “O Trabalhador”  
Não é só por causa do Sol que nós ficamos corados quando estamos a bronzear, sabia? Nessa altura o nosso coração bombeia muito mais sangue para liberar o calor acumulado e equilibrar a temperatura do corpo. É por isso que ficamos com as bochechas e orelhas vermelhas, como se estivéssemos a pegar fogo. O mesmo ocorre em momentos de constrangimento ou nervosismo.

A Pele – “A Fresquinha”
Já a pele, o nosso maior órgão, funciona como o frigorífico do corpo, libertando uma quantidade superior de suor para refrescar. Em compensação, com a elevada eliminação de líquido através dos poros, o ideal é que se beba bastante água, para, assim, compensar o que foi perdido e não prejudicar o funcionamento do organismo.

O Estômago – “O sensível”
Sabe aquela moleza que sentimos quando está muito calor? Aquela vontade de ficar deitado sem fazer nada? Um dos principais motivos dessa sensação é a digestão. Nos dias mais quentes esse processo torna-se mais lento, isso porque o estômago recebe menos energia, que é difundida para outras regiões do organismo que merecem maior atenção do cérebro graças ao aumento da temperatura. Então, e por isso devemos evitar comidas pesadas. Podemo-nos sentir mal!
Os Rins – “Os económicos”
Como a eliminação de líquidos torna-se maior devido ao excesso de suor libertado pelos poros, os rins diminuem o ritmo de trabalho para evitar ainda mais a perda de água. Por isso é que é sempre muito importante beber o máximo possível, para, assim, repor o que foi dissipado. Nunca percebeu que faz menos xixi durante o verão ou dias mais quentes? Bom, agora já sabe o motivo!

O Sistema Nervoso – “De bem com a vida”
Já reparou como praticamente todas as pessoas ficam mais felizes nos dias quentes? O sol estimula a produção de serotonina, uma substância do nosso sistema nervoso que dá uma sensação deliciosa de bem-estar.

Agora tudo está mais claro sobre o porquê do verão ser a estação mais aguardada do ano.

Autor: Viva Saúde

 

Deixar uma resposta

Newsletter