Ser Feliz é uma Escolha

Partilhe

Escolha Ser Feliz – Hoje e Sempre! 

Todos desejamos ser felizes, mas na realidade nem sempre buscamos isso pelo melhor caminho: prestando atenção em nós, escutando-nos e colocando-nos como protagonistas da peça de teatro que é a nossa vida, e não atrás das cortinas onde a vida passa esquecida.

Você merece ser feliz, merece tocar a lua nas noites em que a escuridão reina e voar nas nuvens com formato de baleia quando se sente angustiado e ansioso. Você é o amor da sua vida e por isso hoje e sempre deve escolher ser o actor principal da sua existência, a sua prioridade.

Ninguém deve chamá-lo de egoísta por dizer “não” quando for necessário, por buscar respirar e buscar a liberdade em momentos de pressão, por cortar vínculos quando determinadas pessoas não lhe fazem bem. Ninguém tem poder sobre si exceto você mesmo, porque todos nós viemos a esse mundo e nos vamos dele da mesma forma… Porque então não começar já
a ser feliz e a oferecer felicidade?

Ser feliz é uma aventura que deve durar a vida inteira

Escolher ser feliz é o primeiro passo que sem dúvida o levará para mais perto de seu objetivo: porque quem escolhe toma decisões, porque quem dá o primeiro passo por meio de seus pensamentos acaba materializando esses pensamentos na realidade, na vida diária.

A arte de ser feliz começa com uma pequena decisão: crer em si mesmo.

Agora, para ser feliz, além da necessidade da decisão já mencionada, temos também que saber definir prioridades em algumas ocasiões, e nos dar conta de que talvez devamos enfrentar algumas coisas e algumas situações colocando-nos à frente delas. Isso pode soar um pouco radical, mas na realidade a questão é manter um equilíbrio entre nós e os outros. Por isso, vale a pena ter em mente essas duas dimensões.

Mantenha por perto pessoas que lhe dão luz, e não sofrimento.

Conforme falamos agora há pouco, a chave é manter o equilíbrio. Uma pessoa deve estar sentindo -se bem acima de tudo consigo mesmo, deve perceber que cada coisa que faz ou deixa de fazer  ajusta-se às suas próprias expectativas, à sua identidade e à sua essência.

Há pessoas que tiram nosso equilíbrio interno: nos afastam dos nossos valores, ferem a nossa integridade, esgotam as nossas energias, manipulam com as suas ironias, as suas exigências e  submetem-nos a um contato que na verdade é feito de espinhos.

Mantenha perto de si pessoas autênticas que permitem que você seja você mesmo em cada momento. Não nos esqueçamos no entanto de que, ao longo de nossa vida, devemos relacionar-nos com algumas pessoas que nem sempre se encaixam com o nosso jeito de ser e com o que precisamos.

Nesses casos, nessas relações desse tipo mais complexo, mas também necessárias em alguns momentos seja por fazerem parte da família ou do trabalho, a solução é não dar ao outro a autoridade sobre a sua vida. Limite o contato e desative a influência alheia em você se a pessoa só o perturba. Seja a sua prioridade.

Seja você mesmo, trate-se como prioridade e deixe ir o que não é necessário

Quando foi a última vez que você teve uma conversa com seu eu verdadeiro? Deveríamos experimentar essa viagem interior com mais frequência, porque evitarmos isso nos distancia de nós mesmos, e assim perdemos de vista o caminho da felicidade.

Querido eu, sei que merece que eu te trate melhor e isso é algo que eu vou fazer a partir de agora, deixarei de inventar desculpas, de dizer que não pode ou que não merece. Querido eu, hoje vou leva-lo para o caminho da felicidade. Você será a minha prioridade.

Na realidade são muitos os artifícios com os quais lidamos com o eu. É preciso ter cuidado porque essas várias camadas que encobrem o eu verdadeiro o impedem de respirar, e elas não vêm apenas do exterior; nós mesmos as criamos.

Devemos ter cuidado com essas atitudes limitantes que fazem com que o eu fique preso por meio de “eu não vou poder”, “isso não é para mim”, “vou fracassar” ou “é óbvio que a felicidade nunca vai bater à minha porta”.

Se seu pensamento coloca muros e suas atitudes criam fortalezas, jamais deixará espaço para que entrem os ventos da felicidade. Seja verdadeiro, seja você mesmo, preste atenção ao seu eu interior e liberte-se.

Devemos ter cuidado também com as influências externas que às vezes agem como autênticos ladrões de nossa auto-estima. Relacionamentos que nos controlam, que limitam, que vetam espaços e impedem o crescimento pessoal.

Não podemos também deixar de mencionar o peso que muitas famílias têm, com modelos de educação muito autoritários, com pais e mães que constroem verdadeiras cercas impedindo o amadurecimento e a liberdade dos seus filhos.

Às vezes, para ser feliz é necessário olhar para dentro para curar muitas feridas e carências do passado. Uma vez cicatrizadas, cuidadas e liberados os medos, o momento de abrir os olhos e o coração surge, e então enxergamos que merecemos ser felizes verdadeiramente.

Não espere os bons momentos para ser feliz: seja feliz e os bons momentos surgirão por si só.

Fonte:www.resilienciamag.com

Deixar uma resposta

Newsletter